I


Você não me traga, não me solta
deixa-me guardada, intocada
pra quando quiser,
quando convier. 

Permaneço dentro dos teus pulmões,
presa, intragável.
A dor é incalculável, meu bem,
sou intensa.

Sou tulipa abatida.
Sou tudo aquilo que foi jogado
pro lado, que nunca foi tocado
nem amado.

Pequenina num globo
gigante, que gira,
gira,
gira e nunca para.

Fui rodar o mundo
a procura
de algo que seja
bom pra mim. Queria tanto...

Evaporar; dessa vida,
dessas magoas.
Amar só o que convém,
o que me vem.
Respirar a fumaça
tóxica do cigarro,
mas não você.

Comentários

Postagens mais visitadas