O fardo





Não tem 

ninguém aqui, e
aqui nunca ninguém virá.


Não tem 

ninguém aqui
pra me abraçar.


Não tem ninguém aqui

pra compreender os meus extremos
os meus abismos de amores passados
os meus silêncios.


Não tem 

ninguém aqui
pra ter empatia 
com a minha loucura.


Não tem 

ninguém aqui
que não me julgue 
como o mundo imundo julga.


Não tem 

ninguém aqui,
nunca terá.


Não tem

ninguém aqui,
como nunca teve
quando eu precisei.


Não tem 

ninguém aqui
e ninguém nunca vai enxugar 
as lágrimas que ainda escorrem do meu peito.


Não tem 

ninguém aqui
quando eu transbordo.


Não tem 

ninguém aqui
quando os remédios 
me clamam.


Não tem 

ninguém aqui,
nunca terá.


Não tem ninguém aqui

porque todos já foram embora
e desistiram de mim,
assim como eu. 

Comentários

Postagens mais visitadas