Ana's goodbye poem

Ana, dos beijos com gosto de pólvora, as balas foram
bem alojadas aqui, queria dizer. O funesto adeus
que não foi bem dado, também se aloja na garganta
e como um órgão vital bombeia, bombeia, 
bombeia a dor. 

Ruptura estrondosa: checo.

A indiferença de Ana se refletia em seu abraço cínico
e sem consistência, tão frio como abraçar um iceberg. 
Ana, ah Ana, os machucados foram fatais...
Ao codinome digo o adeus que em meu coração
apodrecerá junto ao real nome:
Adeus.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas